? ºC Teresina - PI

Turismo

18/03/2017 21:06

Cicloturismo faz com que ciclista se desloque de Belém do Pará para Castelo do Piauí

A cidade de Castelo do Piauí tem um certo potencial turístico e tem recebido muitas visitas de grupos de turistas do Piauí, de outros estados e até mesmo de outros países, mas recebeu nessa semana uma visita diferente. O nome desse turista é Paulo Pecê e o que o difere dos outros tantos que visitam a cidade é o tipo de turismo praticado por ele, o cicloturismo.

O cicloturismo é uma forma relativamente nova de turismo praticada no Brasil e que consiste em viagens tendo como meio de transporte uma bicicleta. Trata-se de uma forma ecológica, econômica e principalmente saudável de se fazer turismo.

Reconhecendo o poder da ligação que a bicicleta causa entre as pessoas, Paulo Pecê já realizou muitas viagens com a sua Maitê, nome carinhoso atribuído à sua "magrela", amiga inseparável, segundo o próprio. "Eu só ando com a minha bike, a Maitê depois que eu virei ciclista para onde eu vou ela vai comigo", disse Pecê. Para o cicloturista e aventureiro, Paulo Pecê, um dos fatores que fazem com que ele esteja sempre viajando é o conhecimento adquirido de outros costumes e das diversas culturas das cidades que ele visita.  

A chegada de Paulo Pecê em Castelo do Piauí não foi algo programado e foi puramente obra do destino. O cicloturista relatou para o Portal CDP que conheceu a cidade após uma pesquisa na internet que o levou ao termo "rochas ornamentais" e acabou encontrando a empresa ECB Rochas Ornamentais e se interessou pelas pedras que viu nas imagens do Google e decidiu visitar a região. Pecê tentou várias ligações para a empresa, mas o telefone nunca atendia, foi então que encontrou um número de celular no qual foi atendido, após algumas perguntas sobre a região ele decidiu vir de Belém do Pará para Castelo do Piauí.

O desejo de saber mais sobre essa região fez Paulo Pecê pesquisar mais sobre a cidade e interessado pelo que viu na internet como  a história da Pedra do Castelo e outros pontos turísticos de grande beleza fez com que Pecê decidisse se aventurar por essas bandas e ele disse que se encantou com tudo, que não esperava nada e vai levando muita coisa e uma das principais é a forma calorosa como foi recebido por todos e essa receptividade, segundo ele, é a maior riqueza do município e o que faz com que as pessoas que visitam Castelo desejem retornar.

Tivemos uma conversa bastante interessante com o cicloturista na AABB de Castelo do Piauí, ao lado de um dos praticantes do pedal em Castelo do Piauí, o bancário Paulo Hiran. Veja a seguir alguns pontos dessa conversa.

COMO TUDO COMEÇOU

Paulo Pecê disse que embora já tenha uma certa idade e seja um sexagenário, a paixão pelo pedal é algo relativamente novo, coisa de menos de meia década e que no princípio o que ele queria era se tornar ciclista, participar de um grupo de pedal, mas com o tempo foi percebendo que só isso era muito pouco. "Após iniciar no pedal eu descobri que só pedalar, pertencer a um grupo de ciclismo, visitar locais bacanas, está em contato com a natureza não basta, é preciso fazer mais. O ciclista precisa se afirmar como amante da natureza, que curte a preservação, que sabe o que significa sustentabilidade, não basta dizer que é ciclista, é preciso plantar uma árvore, recolher o lixo que encontra por onde passa, aí sim o sujeito pode se considerar um ciclista e é isso que procuro fazer por onde passo", declarou Pecê.

MEIO AMBIENTE

A preservação do meio ambiente é algo de extrema importância para Paulo Pecê. Ele disse que esse cuidado pela natureza é o mínimo que ele pode fazer para retribuir tudo que recebe da vida. "Eu não fiz nada. Quando eu cheguei no planeta tudo já existia como tal, já existiam as cachoeiras, as florestas, os belos rios, eu não fiz nada, mas agora eu quero fazer minha parte, quero visitar os locais sempre voltado para a preservação de todas as belezas naturais que temos. O que percebo é que a maior parte dos grupos de ciclismo ainda é muito acomodada com essa questão da preservação ambiental. Muitos saem pra pedalar, chegam em casa, lavam a bike, postam belas fotos nas redes sociais, mas não se preocupam tanto com a natureza, infelizmente", pontuou.

CICLISMO COMO TRANSFORMAÇÃO DO MUNDO

Pecê destacou a importância da prática do ciclismo como uma nova forma de relacionamento entre as pessoas e uma nova forma de mudar o mundo. Ele disse que essa transformação pode ser feita por cada um de nós, é barato  e promove melhorias na qualidade de vida. "A bicicleta aproxima as pessoas. Já pensou em pegar a família e sair de bicicleta até encontrar um local para realizar um piquenique, um "bikenique", esse termo me surgiu agora - disse sorrindo -. É muito interessante levar uma cesta com frutas, queijos, montar um acampamento, conversar sobre amenidades, desintoxicar do mundo tecnológico, são coisas simples e que tem um valor imensurável", disse Pecê.

BELEZAS DO PIAUÍ

O encanto pelas belezas do Piauí é visível na fala de Paulo Pecê que visitou várias cachoeiras, como a cachoeira do Covão, monumentos naturais como a Pedra do Castelo e Picos dos Andrés. "O Piauí é magnífico, mês passado estive na região do litoral piauiense e fiquei encantado com Parnaíba, Luiz Correia, Barra Grande, Cajueiro da Praia, tudo pedalando na minha Maitê, conversando com pessoas, passando algum conhecimento e principalmente aprendendo muito com as pessoas. A região de Castelo do Piauí é o segundo lugar do Piauí que visito. Chegando aqui fui apresentado a um funcionário do Banco do Brasil, o Paulo Hiran, que foi a segunda pessoa que conheci na cidade, a primeira foi o Paulista que tem uma oficina de bicicleta, a quem sugeri se aperfeiçoar em bicicletas mais sofisticadas e se preparar para essa febre que está tomando conta da cidade. Foi através do Paulo Hiran, do Joel da Masterpoint e de outros colegas que aqui conheci, que tive o imenso prazer de desbravar essa região belíssima, mas que falta uma atuação maior do poder público, tem muita coisa bonita, mas que se encontra abandonada e que essa gestão que iniciou a pouco deve olhar com bons olhos para o potencial que tem. Visitei um local, Pico dos Andrés, que tem uma estrutura que precisa ser preservada, existe um corrimão que está caindo, uma plataforma com as tábuas soltas, o piso danificado, não tem pintura, não tem uma identificação decente, enfim, precisa de cuidados antes que deixe de existir. Não sei se é o IPHAN ou o poder público municipal que tem que agir, mas sei que essa ação tem que vir o quanto antes", declarou em tom de preocupação.

CASTELO DO PIAUÍ NA ROTA DO CICLOTURISMO

"O cicloturismo ainda é algo que precisa crescer muito no Brasil, apesar de ser uma prática bastante rentável, não existe muito investimento, diferentemente de outros países onde esse tipo de turismo é algo bastante difundido. Trazendo para essa região, aqui se tem um potencial enorme, mas que precisa ser explorado. Um monumento como esse suntuoso castelo de pedra, chamado de Pedra do Castelo é muito pouco explorado do ponto de vista turístico a começar pela indicação do local que não tem uma placa decente que mostre que ali existe uma grande obra da natureza que encanta  a quem se propuser a visitar. O local não oferece as condições mínimas para que o turista se sinta bem e isso precisa ser mudado. Essa região precisa ser valorizada para que a cidade tenha o retorno devido. Se as belezas daqui fossem nos Estados Unidos o fluxo de turistas era enorme e a geração de renda seria algo notável. A cidade de Castelo do Piauí tem tudo para se tornar a primeira cidade do Piauí com uma ciclovia turística e isso representaria um investimento mínimo para o poder público. O cicloturista não busca uma estrutura exagerada para a prática do cicloturismo. O que buscamos essa região tem de sobra que são as formas naturais aqui existentes. Criar um roteiro ciclável não exige um grande investimento, é algo simples e que gera um bom retorno e que pode ser desenvolvido através de parcerias do poder público com o setor privado. afinal se a cidade passa a receber mais turistas todos ganham com isso. Atentem pra isso, provoquem o poder público, façam de Castelo do Piauí a primeira cidade do Piauí com um roteiro de cicloturismo. A natureza já foi bastante generosa com a cidade, o que precisa mesmo é investir na estrutura básica e na divulgação maciça dessa região tão bela", acrescentou Paulo Pecê.

VEJA ALGUMAS FOTOGRAFIAS TIRADAS POR PAULO PECÊ

 


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo